Petiscos italianos como você nunca viu

Saiba mais sobre o ritual do aperitivo e suas comidinhas clássicas

Experimente com

Notice: Uninitialized string offset: 0 in /data/sites/academiadacarne-hml.adttemp.com.br/web/wp-content/themes/academiadacarne/single-recipes.php on line 103

Notice: Trying to get property 'ID' of non-object in /data/sites/academiadacarne-hml.adttemp.com.br/web/wp-content/themes/academiadacarne/single-recipes.php on line 103
Sobre a dica

Petiscos italianos como você nunca viu

Existe um momento sagrado do cotidiano italiano chamado ‘aperitivo’. A palavra não tem o mesmo significado que o nosso. Lá, significa a pausa no fim do dia, tomar um drinque, comer e papear. Pode parecer muito similar ao hábito dos brasileiros de fazer um happy hour, porém, no país da bota, tal tradição é quase que diária e tem certas particularidades. A começar pelo horário, que tem um certo consenso para começar e terminar: por volta das cinco horas da tarde e não se estende mais do que nove da noite – por motivos bem culturais, já que italiano não pula o jantar, coisa que gosta de fazer em casa e com a família.

Mais uma observação necessária desse “relax do entardecer” passa, como não poderia deixar de ser, pela comida! Eles são feitos para esse momento e atendem pelo nome de stuzzichini. Mas não, eles não são porções! É uma espécie de mix de comidinhas que vai para a mesa, junto com a bebida, e a melhor parte: não é adicionado na conta. Eles são como uma cortesia, não estão necessariamente no cardápio. Cada dia é diferente, baseado em uma escolha da casa para o dia.

Pode parecer o melhor dos mundos, mas a perfeição ainda está por vir, pois não pense que eles são feitos de batata chips ou amendoim. O típico mesmo são receitas bem italianas, marcadas pela tradição de ingredientes como o ragu de carne, comumente associado a massas, mas que figura como elemento de dois quitutes: arancini, da Sicília; e supplì, de Roma. Ambos são uma espécie de salgado frito feito com arroz e disputam uma eterna briga pela preferência nacional.

arancini é, digamos, uma “bolota” recheada com carne, ervilha, ovo, mussarela. O nome faz alusão à laranja, sendo que, como a fruta, ele tem de 3 a 10 cm. Não pode ser apenas chamado de um bolinho de arroz ou de “sobras” de risoto, como comumente é encarado no Brasil. Tem todo um ritual de preparo. Começa um dia antes, com a elaboração de um bom ragu de carne, encorpado, que cozinha por horas em fogo lento. Ela segue o preparo bem artesanal e caseiro, perpetuado na família por gerações.

Já o supplì é o rei da comida de rua da capital italiana. É um pouquinho menor e mais abundante no queijo, o que teria dado origem ao seu nome, em alusão à mussarela derretida que lembraria um fio de telefone antigo. Nesse caso, o arroz e o molho de carne são cozidos juntos. Também é empanado e frito, mas o recheio é só queijo.

Agora, se o mundo inteiro adora papear beliscando azeitonas, imagine o frisson ao provar uma iguaria chamada olive ascolane? Azeitonas enormes, recheadas com linguiça, carne moída e panceta, tudo isso empanado em farinha de rosca e frito! Essa é uma receita típica da cidade de Ascoli, na região de Marche, no centro da Itália.

 

Veja a receita de olive ascolane

 


Veja a receita de supplì.